quarta-feira, 9 de junho de 2010

A minha indiferença



O meu desprezo tem a força do meu amor, potência violenta e escaldante desses vulcões de mim. O mesmo vigor e a mesma energia, não adianta fugir que o meu desprezo tem a mesma valentia, o mesmo esforço. A mesma violação. Meu desprezo me imuniza das lembranças, dos tons pastéis, das aquarelas. Meu desprezo me imaniza e atrai o ferro do mundo, metal em brasa me empedernindo os seios, os olhos, o abraço.
Meu desprezo faz o mesmo estrago que todo o meu amor, traz o mesmo espanto. Meu desprezo mantém o mesmo e sempre vivo desconforto. Segue assim lacerante e destemperado, e diligente me protege das minhas tantas maleabilidades.
Segue assim até ofuscar o objeto, encobrir de cinza e rocha o que um dia teve algo de bonito. Até que reine a paz desconfiada, o silêncio e o descaso de uma qualquer indiferença.
E a única indiferença possível, essa que eu espero sem perceber que não virá enquanto não me esquecer de esperar, é na verdade o embate fatal entre o meu amor e o meu desprezo, esses titãs implacáveis de mim. E, no instante em que ela chegar, o objeto do duelo – objeto que é – já será gigante e infinito.
A única indiferença possível virá quando você estiver tão imenso que encobrirá no seu negrume tudo o que possa haver em mim, num eclipse maldito.

7 comentários:

Mari Carrara disse...

"Minha estranha loucura é tentar te entender e não ser entendida!
É ficar com você procurando fazer parte da tua vida!

Minha estranha loucura é tentar desculpar o que não tem desculpa!
É fazer dos teus erros um motivo qualquer a razão da minha culpa.

Minha estranha loucura é correr pros teus braços quando acaba uma briga.
Te dar sempre razão e assumir o papel de culpada bandida

Ver você me humilhar e eu num canto qualquer, dependente total do seu jeito de ser
Minha estranha loucura é tentar descobrir que o melhor é você!

Eu acho que paguei o preço por te amar demais, enquanto pra você foi tanto fez ou tanto faz
magoando pouco à pouco, me perdendo sem saber
e quando eu for embora o que será que vai fazer?" alcione...

aviso aos desavisados: está absolutamente tudo bem comigo e com o lucas! nada a ver com nada!

Mari Carrara disse...

e a crase no "pouco a pouco" veio do site vagalume!...

Igor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Igor disse...

Hoje estive num mesmo apartamento que você, ao pós-jogo do Brasil. Disseram-me daqui. Escreve bonito, você.

Igor disse...

Então, obrigado... Muito bem falada na roda, altos elogios, então resolvi te googlar, hehe.

Para as músicas eu uso um widget, e as upo em algum site hospedeiro de arquivos... Posso te fazer um tutorial uma outra hora, coisinha simples, sabe. E sobre quais links fala? Até mais ver

Stella Polaris disse...

fabuloso!

Braga disse...

se passar pro inglês e colocar em livre e branco dá um bukowski.